Barras de paciência

Eu gosto da serenidade. Eu admiro-a e ela espanta-me. Tento sempre aguentar com coisas que no momento me dão razões para explodir. Faço-o, porque quando acontece, estou ao pé das outras pessoas e como tal, também gosto que estas não se descontrolem à minha beira. Tudo na paz. O que está feito, está feito, não pode ser retornado. Para a próxima sai melhor. É o que eu penso. Se a persistência quebrar um dia, os pensamentos elevam-se. Elevam-se até eu não poder mais. São raras a vezes que me esqueço de alguma coisa, por isso tudo conta, para bem e para mal.
Quando tal acontece por cima do stress, é pior porque nos sobrecarrega a mente que no fim, é obrigada a rebentar. Qualquer dia isso acontece, a uns com mais e a outros com menos frequência. Acho que não há volta a dar. O mundo não é perfeito e assim existem dias que também não o são.
Comparo a minha paciência, a uma barra verde que quando calha e com um devido degradê, se torna encarnada. Uma duração é assim, tem prazo! E eu assemelho-me… não sei ainda ao certo o tempo da minha barra, porque ainda não fiz estudos acerca disso e porque tal também depende do que acontece a cada segundo que passa. Sinceramente não me preocupo, se esta está no inicio da sua vida ou se acontece o contrário. Mantenho-me calma, pura e simplesmente calma, mesmo que esta faixa já se apresente um pouco fracassada.
Mas há um limite, como tudo na vida. Há um limite que já não suporto e não consigo conter nas minhas veias. É-me impossível. Transformo-me espontaneamente, sem a maior parte das pessoas dar conta e quando atinjo um auge ou quando alguém me obriga a atingi-lo… detono. Fico, como já me foi dito – irreconhecível. Transtornada como um louco que obtém da raiva, uma força que ninguém é capaz de remediar.
Eu não o faço por mim, mas pelo mundo que por vezes se aparelha. À última vez que isso aconteceu, atribuo um rótulo: Não me obrigassem! Se aconteceu a culpa não foi minha… as pessoas têm limites e como eu respeito o dos outros, também tenho o direito evidente de que respeitem o meu. Será que estou certa? No fim da explosão tenho mesmo, é de louvar o meu estado, que alguns dias depois, já não faz questão de lembrar os pensamentos que se assombravam. A barra fica verde, pronta para outra.

21 comentários:

- Sílvia • disse...

queria pensamentos desses.

filipa disse...

está lindo +.+

A Magia da Noite disse...

tudo tem um limite, a paciência também.

Mariana disse...

como eu compreendo esses momentos de explosão . as vezes tbm queria que as pessoas os compreendessem mais .. Gostei muito ;)

Cátia Vieira disse...

wow, adorei, adorei tudo!

SaraSerrano disse...

que texto, tanto sentimentoo ;)

beijinhos

Maçã e Canela disse...

é um prazee;)*****

Girl in the Clouds disse...

Gostei imenso do teu texto e concordo com muita coisa!! Um beijinho

renata carneiro disse...

o limite é uma linha tênue.
a gente não pode é deixar transbordar.

um beijo!

Silvana disse...

isso é óptimo querida :)

"Mas há um limite, como tudo na vida. Há um limite que já não suporto e não consigo conter nas minhas veias. É-me impossível."

concordo em tudo contigo neste texto, tem tudo a ver comigo.
as pessoas têm que se respeitar umas ás outras, somos todas diferentes e nem todos concordamos e pensamos da mesma forma *

Né # disse...

texto perfeito *.*

Sy disse...

É mesmo, querida!
Este texto está qualquer coisa :')

Sy disse...

beijinhos! muitos! :)

Sy disse...

oh bonequinha, tu é que és :,)

Nii disse...

Combinadissimo :D
Sou de Bragaa e tu??

«Mas há um limite, como tudo na vida. Há um limite que já não suporto e não consigo conter nas minhas veias. É-me impossível. Transformo-me espontaneamente, sem a maior parte das pessoas dar conta e quando atinjo um auge ou quando alguém me obriga a atingi-lo… detono.», AMEI , AMEI MESMO!! Que lindo :$:$

- Sílvia • disse...

Olá (:
Eu e a Daniela criamos um blog (http://daniela-silvia2010.blogspot.com) onde o tema, consiste nas etapas de emagrecimento de cada uma.
Contamos contigo para sempre que puderes comentar este nosso blog.
E seguir claro (:
Beijinhos *

Nii disse...

Oh , este texto está uma merda -.-'
daquelas mesmo grande. Mas tinha que escrever alguma coisa senao ia rebentar --'

Ai Coimbra *.* Isso é lindo :)

Nii disse...

Ai que maluca :D
Tu escreves tão bem *.*

Oh , isso é bem verdade :)
Mas ... se quiseres vir morar para Braga eu deixo . Aqui é tudo fixe :D

Nii disse...

Sabes que eu tenho essa "panca" também??
Tive na alemanha no verão passado, já nao queria ver. Aquilo é mesmo outro mundo *-*

Vamos as duas para outro pais? :p

Eu a carta já podia ter , so que chumbei no exame de condução :S

Nii disse...

Mas é claro que vais saber , eu não desapareco da vida das pessoas que até gosto :p
- Se um dia não me encontrares, é porque preciso de estar sozinha.

Ui, nesse ponto somos duas -.-' Este pais em vez de andar para a frente anda ao para tras -.-'

Jay disse...

gostei do teu texto e do seu conteudo, escreves bem :)