Confiança

Até onde estou, já deu para aprender muita coisa e para aplicar a prática com mais ética. Deu para saborear sensações passageiras, longe de promessas em que acreditava. As contradições podem romper com frases feitas e o futuro depende em parte, daquilo que se verbaliza e algumas vezes se houve.
Neste século, as “juras” não significam o que antes se tomava, e aliás nem lá perto estão. A confiança agarra-se com a mesma tranquilidade da sua suspensa. O objectos no sitio não prometem a arrumação eterna, assim como as relações que no inicio consideramos perfeitas se podem tornar na irrealidade de um ser.
O entendimento jamais fará sentido, sem a devida palavra.

17 comentários:

Débora. disse...

adoro as tuas palavras :o

Nés, disse...

Eu sou de Lisboa!

Débora. disse...

nao tens de agradecer :)
minha querida se poderes passa no blog da minha amiga ela e uma recente blogger, então se poderes deixa a tua opinião, http://marasuzette.blogspot.com/ :D

Neuza disse...

adorei! :o

saramendes disse...

belo blog, e obrigada :)
também te queria seguir mas não estou a conseguir faze-lo.

Débora. disse...

obrigada :p

saramendes disse...

já está :)

saramendes disse...

claro que posso :)

saramendes disse...

o mesmo te digo a ti :)

Liliana disse...

já nada faz o sentido que antes fazia, fantástico

Sara Santos disse...

são elas que nos mantêm cá :)

alexandra disse...

oh, que lindo *.*
também estou a seguir #
Beijinhos

maria eduarda disse...

obrigada :$
eu tambem gostei do teu , vou seguir :)

beatrice disse...

adoro tudo aquilo que escreves, a forma como falas de cada emoção, sentimento.. parabéns :)
vou seguir *

marta filipa disse...

sim, há aqui um grupo em viseu que às vezes faz uma coisa engraçada, tenho que ver se me ponho em contacto com eles :)

luisinha disse...

ooooooh:') que simpatia.

marta filipa disse...

ahah, criativa, nem sempre :p