Ai que vida

já me disseram para esperar e eu já perdi a conta ao tempo. 
magoei o meu psicológico, 
enfureci o meu nervosismo, 
arrisquei nas minhas dúvidas, 
desisti das minha certezas, 
esqueci o impossível, 
lembrei tudo novamente, 
cansei o meu folgo, 
acalmei as poeiras, 
e entretanto vou aqui, num passo de cada vez, sem medos, num rebuliço de pensamentos que não acaba. 
e sem ninguém se aperceber, o tempo passou e nada apareceu. 
tudo o que ocorreu não ficou junto a mim por mais tempo e a frustração que eu tenho, vai arruinando o que vem sempre a seguir. 
o mundo esqueceu-se desta espera ordenada, essa já desesperada… e eu ainda estou a pedir o mesmo.

2 comentários:

Gabriela disse...

ai jé, essa vida não vai bem.
mãos à obra para a endireitar

filipa disse...

oh minha jeze essa vida anda um bocadinho má :$