Mentiras que matam

É difícil escolher algo para fazer,
Dizer tudo o que ficou por dizer,
E o que mais custa ainda,
É falar que nada muda amanhã, pelo amanhecer.
Foi o que aconteceu e normalmente ainda decorre,
As mentiras, por alguém transbordam desalmadamente,
Percorrendo os fios do crânio, suplicando o mal, esse que morde.
E agora basta. Pára tudo. Já nada concorre.

4 comentários:

saramendes disse...

wow. adoro.

filipa disse...

mentiras essa que corroem :$

Rita da Maçaroca disse...

:) Há sempre o que fazer, nem que seja deixar de pensar no que não se pode fazer...

saramendes disse...

oh obrigada! adoro o teu blog, fica desde já a saber :)